Márcia from Nazareth Collection

 

A Nazareth Collection, uma das primeiras marcas com quais fizemos parceria destaca-se pelos seus designs únicos, a utilização de dead-stock da industria têxtil portuguesa e tem a particularidade de que se considerar não usar mais a sua Nazareth Collection, pode simplesmente devolve-la.

Não só garantem a sua reciclagem, como também irá receber um desconto na sua próxima escolha.

 

Ion - Como tudo começou? De onde surgiu a ideia?

Márcia - Eu sempre tive vontade de ter alguma coisa ligada a moda, e que tivesse uma componente artística. Algo que eu penso ter vindo da parte das minhas avos que eram mulheres artísticas e excecionais, as duas ligadas a parte de vestuário. Uma delas, a Aurora, tinha um atelier de guarda-roupa com vestuário do seculo XV , e a outra, a Luz, que sempre se reinventou na parte da têxtil, sempre com produtos novos. A minha avo Luz foi quem trouxe as saias plissadas a Portugal, o meu avô paterno Avelino, criou o primeiro saco de cama em Portugal, com um design que trouxe de Milão. Portanto eu sempre tive um fascinio pela moda, então em 2013, sendo apaixonada por fotografia, decidi aliar a fotografia a moda e torna-la uma fotografia vestível.

Assim embarquei neste projeto e foi uma descoberta continua de processos, materiais, tecidos, sempre com a sustentabilidade e qualidade em mente.

Ion - Quem são os fundadores do projeto? Quem está por trás?

Márcia - Eu sou a fundadora e designer, ou seja a parte criativa mas tambem de estratégia, gestão. A Irene entrou no ano passado e é responsável pela parte financeira e agora tambem socia. E o André, meu marido, que sempre contruiu comigo toda a estretegia de comunicação da marca, e em conteudos. Todavia trabalhamos com pessoas subcontratadas quando assim se justifica.

Ion - Quais os materiais/matérias primas usadas?

Márcia - Os materiais que utilizamos estão sempre a evoluir. No início começamos por trabalhar com poliéster, que era o único material que permitia a impressão de alta qualidade das fotografias, mas não sendo o mais sustentável, pusemos de parte a tratamos de encontrar outra alternativas.

Desde o algodão orgânico, a viscose, o lyocell que é o que eu mais gosto de trabalhar por causa da sua textura sedosa e por ser um material maravilhoso, feito de reaproveitamento a partir de celulose ou de pasta de madeira.

 

Em 2019, tivemos uma reviravolta na Nazareth. Tomamos consciência de que os materiais que usávamos não eram assim tao sustentáveis quanto isso, apesar de serem rotulados como tal, levando a decisão de abandonarmos o digital print, porque não era já viável tanto da parte económica do negocio como da parte da sustentabilidade.

Mas como há males que veem por bem, foi daí que descobri o dead-stock. Fomos então a procura de fabricas que teriam a disponibilidade de nos fornecer esse material parado, tarefa que nem sempre provou ser fácil, mas felizmente há fabricas que querem dar uma segunda vida a essas matérias primas.

Alem disso, começamos a fazer experiencias para tornar certas peças reversíveis, que correu muito bem, adicionando assim ainda mais a nossa vertente sustentável. Sendo todas as matérias primas provenientes dum raio de 30km da fabrica onde produzimos as nossas peças, o impacto torna-se ainda menor.

 

Ion - Onde são fabricados os produtos?

Márcia - Todas as matérias primas são provenientes de Portugal e o fabrico das pecas é também feito em Portugal

Ion - Quais as éticas do projeto?

Márcia - Focamo-nos em criar peças que são intemporais, únicas e de pequena circulação. Isto é, quando fazemos uma peça, só há um numero muito reduzido da mesma peca, assim que acabar o stock, não iremos repor esse stock.

Criando assim peças que são de altíssima qualidade, e que duram para a vida. São peças para a mim, para a minha filha e para a minha mãe, não temos um target de mercado especificado. Algo que me foi passado pelos meus avos e são valores que devem ser passados as gerações futuras.

A Nazareth celebra mulheres atuais, com o seu estilo e propósito. Mulheres emocionalmente sustentáveis, conscientes da sua forma de estar, felizes como são, pensam e vestem. A Nazareth cria abordagens frescas e positivas à moda quotidiana, com básicos essenciais e clássicos revigorados em peças sustentáveis de elevada qualidade, destinadas a mulheres gentis com o outro, orgulhosas de quem são, apaixonadas pela vida que têm.

Uma coisa que a pandemia nos obrigou, foi a repensar a nossa forma de vivermos e isso felizmente se está já a verificar no mundo da moda.

Ion - Que politicas de ecológicas e de preservação do ambiente que o projeto tem?

Márcia - Ao fabricar tudo em Portugal dentro de um raio de 30km, poupamos energia porque sem ela não há desenvolvimento económico e só assim é que as condições de vida melhorarão. Temos tambem a política de adocao de práticas ecológicas porque o futuro só dura sem agressões ao meio ambiente.

Ion - De que forma é que contribui para um economia circular?

Márcia - Ao reutilizar matéria prima que iria de outra forma para o lixo, assim como trabalhando só com fabricas portuguesas e artesãos locais, a economia circular faz parte do nosso ADN.

Ion - Onde é que podemos encontrar os produtos a venda (lojas físicas)?

Márcia - Estamos em museus que tem lojas como por exemplo, Casa da Musica, Museu Serralves, CCB. Estamos também em BeWe Concept em Cascais.

Ion - Quais são os planos/ projetos para o futuro?

Márcia - De momento, devido a crise pandémica tivemos que congelar os nossos planos futuros imediatos. Estamos todavia a trabalhar para criar novas parcerias, aprofundar a nossa vertente sustentável e fazer crescer a nossa presença online e afirmarmos nos nesse espaço.


Tenha em atenção que os comentários precisam de ser aprovados antes de serem exibidos